Categorias
Artigos Querido Diário

A comunicação em minha vida

Foi quase como pedir um xis. Falando assim você vai achar que sou inconsequente, mas não foi exatamente assim, mas foi. Eu passei boa parte do segundo grau dizendo que eu faria medicina, comecei o cursinho pré-vestibular dizendo que eu faria medicina. Na véspera do último dia de inscrição do vestibular, me inscrevi para publicidade.

Foi assim… eu já trabalhava fazendo websites, tinha facilidade com computador e com texto, e depois que u vi Harry Potter, queria fazer efeitos especiais. Na semana antes de acabar o período de inscrições (do primeiro vestibular que eu fiz para a Federal, fiz dois e não passei nos dois, fiz PUCRS, e lá passei em 2º lugar) fomos levar minha irmã no aeroporto. Lá, compramos uma revista do estudante. E eu passei a noite toda (literalmente) devorando cada detalhe, de cada profissão, e destacando o que me interessava. No final fiquei com umas 4 opções. Teriam mais, mas não havia a oferta no RS. Então, depois dessa peneira, minhas opções eram psicologia, publicidade, letras e mais alguma outra coisa que não lembro. Como eu já fazia algumas coisas, pensei, vou com publicidade pois já aproveito mais o que já sei. Não me arrependi, pois essa decisão abriu minha mente para uma área incrível, que tem bastante das outras: Comunicação.

Engraçado que escrevo este texto ao mesmo tempo em que participo de um seminário de comunicação. As pessoas tem uma visão bastante limitada desta áreas, por isso estar num seminário de comunicação é como atravessar um armário para Nárnia.

Através da comunicação eu adquiri minha independência na vida, e pude conhecer muito da mente humana (minha paixão, mais para frente vou falar da psicanálise). Pude adquirir experiência de mercado, experiência de vida e aprendi horrores sobre comportamento humano.

Tudo comunica, e entender a intenção por de traz da comunicação muda tudo. Hoje, sou bacharel em comunicação social, especialista em imagem publicitária e mestre em comunicação social. Nessa trajetória aprendi muito sobre expressões da individualidade humana, liderança e criatividade. Na graduação estudei como a internet influenciava (naquele período) a aceitação da orientação sexual, no mestrado, como se construíam os ambientes de liderança em um espaço midiatizado. Fiz amigos, conquistei clientes, e hoje uso todas as técnicas que aprendi para auxiliar meus clientes a se expressarem melhor, e mais, a permitirem uma comunicação mais harmônica entre todas as camadas da sua existência, permitindo um equilíbrio entre seus desejos internos e a forma de expressá-los no mundo.

Fico feliz pelo Eu adolescente ter escolhido este caminho, se fosse diferente, eu seria, hoje, outra pessoa. E não tenho ideia se ela seria tão interessante.